Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita Teixeira da Silva

Seg | 30.11.20

Vermelho da cor do Sangue, de Pedro Garcia Rosado

vermelho_blog.png

Este é o segundo livro da trilogia Não Matarás de Pedro Garcia Rosado.

Descobri o autor numa das minhas deambulações sem destino à Bertrand online e fiquei muito surpreendida pelos temas abordados nos policiais e pelo preço dos livros (sem promoção). Um fator que apelou ao meu coração foi, sinceramente, o facto de o autor viver nas Caldas da Rainha, a minha cidade.

Depois de uma ótima experiência com A Cidade do Medo, cuja história ainda a guardo na memória mas já não está suficientemente fresca para poder escrever um artigo sobre ela, fiquei mais uma vez agradavelmente surpreendida por Vermelho da cor do Sangue.

Na verdade, gostei mais de Cidade do Medo do que deste, mas por nenhuma razão específica. Talvez simplesmente por ter sido o primeiro contacto com o autor e, desta vez, já ter ponto de comparação.

Acompanhamos, mais uma vez, uma investigação encabeçada pela equipa da PJ à qual Joel pertence. Tudo começa com um assalto à casa de Ramiro de Sá, um muito bem sucedido banqueiro. Para além de algumas peças de joalharia, um passaporte foi roubado e, surpreendentemente, este é o elemento que mais confusão traz às vidas envolvidas. Mas... por que razão um passaporte estaria guardado de olhares alheios e por que razão está a causar tanto alarido?

Numa viagem ao pós 25 de abril e às relações entre a antiga URSS e terras lusitanas, acompanhamos a investigação, por um lado, e as movimentações da outra frente. Há várias camadas nesta história e são todas muito interessantes de descobrir.

Não sei porque é que não se fala mais de Pedro Garcia Rosado, tem uma escrita limpa, clara e muito eficiente. Traz temas diferentes e várias abordagens lógicas e que acrescentam a qualquer leitor.

Já devem ter percebido que sim, aconselho muito a obra do autor. Vou, com certeza, continuar a explorar a sua bibliografia (já tenho o terceiro volume desta série).

Já conheciam o autor? Contem-me tudo!

4 comentários

Comentar post